Os movimentos sociais exigem: “Fora Bolsonaro”

Por Sergio Ferrari. Berna. Suiza

Segundo país em casos confirmados e terceiro com maior número de mortes, o Brasil sofre não só com a pandemia, mas também com uma profunda crise política. Dois ministros da saúde renunciaram consecutivamente entre abril e maio. Há três semanas, um general do exército tem liderado provisoriamente este importante ministério. “Essa tragédia humana não é uma fatalidade”, enfatiza o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), que acaba de apresentar um Plano de Emergência, preocupado com o aumento do desemprego e com o risco de uma profunda crise alimentar que bate à sua porta.

“O presidente Jair Bolsonaro se torna uma ameaça contra a própria população por não ter um projeto para enfrentar a pandemia. Sua política, em vez de frear a expansão do vírus, ajuda na sua expansão”, diz Miguel Stédile, membro da Coordenação Nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Em 10 de junho, esse país-continente, que tem uma população de 209 milhões que ocupam uma área de 8,5 milhões de quilômetros quadrados, contabilizava 707 mil casos e mais de 37 mil mortes.

Irresponsabilidade governamental
O MST juntamente com os principais movimentos sociais e com um amplo espectro da sociedade brasileira promovem a proposta “Fora Bolsonaro!”, explica o jovem líder social. Hoje, esse é um slogan da unidade. Cerca de 60% da população, incluindo setores de centro-direita, concordam que para resolver a crise o atual presidente tem que sair. Há diferentes visões e táticas sobre o mecanismo de sua saída, embora esteja claro que sua figura vem enfraquecendo-se rapidamente nos últimos meses, explica Stédile.
Ele conta: “Não houve os reagentes necessários para testes, portanto, muito pouco se testou. Os casos podem ser até dez vezes mais do que os registrados. Desde o início de junho, o governo só libera os dados sobre o Covid-19 tarde da noite -após o telejornal- e oferece apenas as cifras do dia, sem o acumulado histórico. Segundo especialistas, o governo age criminosamente ao omitir dados do Covid-19 foi a manchete do jornal Folha de São Paulo na segunda-feira, 8 de junho.
“Esta tragédia humanitária não é uma fatalidade. É o resultado da irresponsabilidade e da ação genocida do governo Bolsonaro, que minimiza a pandemia, defende a reabertura da economia, veta o apoio financeiro aos Estados e promove e incita a violência política entre seus apoiadores”, explica Miguel Stédile, em entrevista por telefone.
A única sorte é que, em muitos Estados, os governadores assumiram a liderança na luta contra o coronavírus. Mas, com recursos muito limitados: “na minha cidade, Veranópolis (Rio Grande do Sul), com cerca de 26 mil habitantes, há apenas dois respiradores mecânicos e a Unidade de Terapia Intensiva mais próxima fica a 30 quilômetros de distância”.

Plano de emergência
“Fora Bolsonaro”, explica, é para o MST a primeira de três prioridades para esta etapa de emergência nacional. A segunda é a luta pela vida – promovendo o confinamento social nos locais mais afetados pelo vírus. E a terceira é a produção de alimentos saudáveis, que estão sendo distribuindos em solidariedade aos setores carentes das cidades.
Em 5 de junho passado, coincidindo com o Dia Mundial do Meio Ambiente, o MST lançou um Plano Emergencial para a Reforma Agrária Popular. “Hoje, mais do que nunca, a reforma agrária é uma necessidade e uma condição essencial para poder enfrentar com a crise”, explica Stédile, filho de João Pedro, referência histórica do MST.
“Temos dois objetivos essenciais: a geração de empregos e a produção de alimentos saudáveis”, agrega. Após sua análise sobre o impacto dos 5 milhões de novos desempregados no país, na esteira da crise de saúde. O MST estima que esse número pode subir para 20 milhões nos próximos meses, atingindo 20% da força de trabalho nacionalmente.
Diante das dúvidas sobre a viabilidade financeira de uma reforma agrária, o professor de história e membro da direção do Instituto de Estudos Contemporâneos (Rio Grande do Sul) define números. Existem 729 empresas que possuem 6 milhões de hectares e têm dívidas de mais de US$ 40 bilhões com o Estado. Essas dívidas poderiam ser cobradas em terra, para permitir o assentamento de milhares de famílias sem-terra, de desempregados e de pessoas das periferias das cidades.

“Essa proposta aprofunda e atualiza o projeto de Reforma Agrária Popular que promovemos desde 2014. Só o adaptamos às condições atuais, não só pensando no campo, mas também nos centros urbanos, onde vivem 85% da população do país”, explica.
A urgência de implementar “políticas criativas está ligada ao duplo nível de emergência em que o Brasil vive”, explica Stédile. No final de maio, vários índices projetavam uma contração do PIB de 6% a 7% para 2020. A crise existia antes mesmo do Covid-19, salienta.

O país sairá duramente atingido desta conjuntura. E o diagnóstico do futuro não deixa dúvidas: “alto índice de desemprego, preços de alimentos impagáveis para os setores populares… Nesse contexto, a reforma agrária que propomos teria um rápido impacto para gerar emprego, favorecendo também setores urbanos precarizados”. E recorda que, depois do Paraguai, seu país representa a segunda maior concentração de propriedade da terra do mundo. “Embora no Paraguai, paradoxalmente, os maiores proprietários também sejam brasileiros”, explica.
E o líder do MST conclui, sintetizando. Essa proposta baseia-se em quatro pilares: o relançamento do trabalho a partir da distribuição de terras. A produção de alimentos saudáveis para enfrentar o grande risco da crise alimentar já sentida em muitas regiões. A proteção ativa da natureza, da água e da biodiversidade. E, além disso, garantir condições decentes para todas as pessoas.
“Assim como a questão agrária é fundamental, a luta étnica também é essencial, levando-se em conta o passado colonial e escravista da história brasileira”. E reivindica desde o MST os protestos antirracistas das últimas semanas, que também estão ocorrendo no Brasil inspirados, “pela primeira vez, pelos ares progressistas que sopram do Norte”. (PE) Servicio em Portugues
Tradução: Rose Lima.

 SN 251/20

Responder

Por favor, inicia sesión con uno de estos métodos para publicar tu comentario:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión /  Cambiar )

Google photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google. Cerrar sesión /  Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión /  Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión /  Cambiar )

Conectando a %s